Conecte-se conosco

Outras

Apenas dois países sobreviveriam à guerra nuclear após ‘5 bilhões morrerem em 72 horas’, diz especialista

Publicado

em

Annie Jacobsen, jornalista investigativa e autora renomada por seus best-sellers do New York Times, dedicou bastante tempo explorando os cenários sombrios de uma guerra nuclear. Durante um episódio do podcast “Diary Of A CEO” de Steven Bartlett, Jacobsen, finalista do Prêmio Pulitzer em 2016, compartilhou algumas previsões severas sobre os resultados de tal evento catastrófico.

Ela destaca uma possibilidade assustadora: aproximadamente 5 das 8 bilhões de pessoas na Terra poderiam perecer em apenas 72 horas após um conflito nuclear. A causa principal? Grandes incêndios provocados pelas explosões nucleares criariam imensos volumes de fumaça, cobrindo três continentes e levando a uma queda severa nas temperaturas — uma mini era do gelo, como ela descreve. Esse cenário arrepiante veria regiões de latitude média, como Iowa nos Estados Unidos e Ucrânia na Europa, enterradas sob camadas de gelo por uma década.

Segundo Jacobsen, o resfriamento rápido e o inverno prolongado devastariam a agricultura, levando à fome generalizada. Além disso, a catástrofe ambiental seria exacerbada pelo envenenamento por radiação. O dano à camada de ozônio seria tão severo que a luz solar se tornaria letal, forçando os sobreviventes a viverem subterraneamente para escapar da radiação nociva.

Em sua pesquisa, Jacobsen consultou o Professor Brian Toon, um renomado especialista em ciência climática e atmosférica. Toon apoia suas alegações, observando que, no evento de um inverno nuclear, apenas algumas regiões poderiam potencialmente sustentar a agricultura e, consequentemente, a vida humana. Notavelmente, Nova Zelândia e Austrália são mencionadas como prováveis candidatas para tal sobrevivência, graças às suas localizações geográficas e capacidades agrícolas.

Jacobsen também relata uma anedota arrepiante de Bill Perry, ex-Secretário de Defesa dos EUA, sobre a facilidade terrível com que uma guerra nuclear poderia ser acidentalmente desencadeada. Durante seu mandato na Administração Carter, Perry viveu um incidente de parar o coração. Ele estava de plantão noturno quando o Centro de Comando Militar Nacional, localizado em um bunker sob o Pentágono, o alertou sobre mísseis balísticos vindos da Rússia Soviética. Este grave aviso foi simultaneamente confirmado por outro bunker nuclear na Base da Força Aérea de Offutt, em Nebraska.

Por alguns minutos agonizantes, parecia que mísseis balísticos intercontinentais e lançados por submarinos estavam a caminho dos Estados Unidos — uma verdadeira enxurrada de ogivas. Felizmente, Perry logo recebeu a notícia de que tudo não passava de um erro. A causa do alarme falso? Uma fita VHS simulando um ataque soviético aos Estados Unidos havia sido erroneamente inserida em uma máquina no bunker nuclear sob o Pentágono. Conectada ao STRATCOM, a simulação parecia real em vários locais, levando ao breve, mas intenso pânico.

“Ele estava de plantão durante a Administração Carter… foi informado pelo Centro de Comando Militar Nacional, que é o bunker sob o Pentágono, que havia mísseis balísticos a caminho da Rússia Soviética”, ela disse.
“Isso foi confirmado pelo bunker nuclear sob a Base da Força Aérea de Offutt em Nebraska, o bunker do STRATCOM (Comando Estratégico).

“Não apenas mísseis balísticos intercontinentais estavam voando em direção aos Estados Unidos, mas também mísseis balísticos lançados por submarinos estavam vindo em direção aos Estados Unidos. Era uma carga maciça de ogivas.
“Em questão de minutos ele recebeu a notícia de que era um erro — como um erro desses acontece?
“O que ele me disse foi que havia uma fita VHS de um ataque simulado pela União Soviética contra os Estados Unidos e a fita VHS havia sido inserida por engano em uma máquina no bunker nuclear sob o Pentágono e, porque está ligado ao STRATCOM, foi vista nos dois locais.

“Perry disse que parecia real porque era para parecer real.”

Por Lucas Rabello – mistérios do Mundo

Publicidade