Conecte-se conosco

Outras

Câncer de próstata tem novo tratamento com radioterapia reduzida

A fase aguda da pandemia da covid-19 afetou

Publicado

em

A fase aguda da pandemia da covid-19 afetou os pacientes com câncer de próstata, que não podiam parar o tratamento, mas precisavam continuar se cuidando para evitar a contaminação pelo coronavírus. Uma das medidas implantadas com o objetivo diminuir o risco de transmissão da covid-19, foi a redução no número de sessões de radioterapia para o tratamento.

O número de sessões foi reduzido de 39 para 20 aplicações. A experiência foi tão bem-sucedida que passou a ser adotada como rotina no pós-pandemia. Ao lado de exames e tratamentos sofisticados, essa é uma das novidades do combate ao câncer de próstata, que ganha destaque durante a campanha do Novembro Azul, que segue até o próximo dia 30.

No entanto, a redução se aplica a determinados pacientes, que apresentam características específicas. “Quando o paciente não apresenta risco de complicação, o tempo de tratamento por radioterapia pode ser mais curto, com cinco sessões com maior intensidade de radiação”, esclarece a médica Mariana Bruno Siqueira, oncologista da Oncologia D’Or, com foco em uro-oncologia.

O que impede a redução de sessões, explica a médica, é o tamanho da próstata e a distância entre a próstata e o reto, que é a parte final do intestino. “As complicações que a temos mais receio são diarreia e eventualmente sangramento nas fezes. É uma decisão do médico radioterapeuta, baseado nos dados da anatomia do paciente, para definir se tem segurança de fazer em menos tempo com maior dose. Então é uma decisão para cada paciente e em conjunto com radiooncologista, que é quem vai planejar o tratamento”.

Essa é uma tendência que começou antes da pandemia da covid19, e foi intensificada e adotada de forma mais ampla e disseminada no Brasil para vários tipos de neoplasias com a chegada da pandemia, disse o presidente da Sociedade Brasileira de Radioterapia (SBRT), Marcus Simões Castilho, médico radioterapeuta.

“A redução de tempo de tratamento de radioterapia é conhecida como hipofracionamento e é uma tendência em diversas patologias. Em próstata, já existe um corpo de evidência científica consolidada. Fundamental pontuar que doses maiores pressupõe maior controle de entrega e consequentemente tecnologia. Isso é uma limitação no Brasil uma vez que somente um terço dos equipamentos têm radioterapia guiada por imagem, fundamental no hipofracionamento do câncer de próstata”, explica o médico.

A SBRT realizou um Consenso de Hipofracionamento na Radioterapia no Câncer de Próstata em setembro de 2019, antes da pandemia, e publicou esse material na Revista da Associação Médica Brasileira em janeiro de 2021.

A estratégia já é consolidada para hipofracionamento moderado entre 20 e 28 frações, reduzindo o tratamento de 7 a 8 semanas para 4 a 6 semanas. “Estratégias de tratamentos em somente uma semana estão sendo adotadas, porém muito dependentes de alta tecnologia”, disse Castilho.

A radioterapia é uma modalidade terapêutica importante no cuidado das neoplasias tanto em condições malignas quanto benignas, em condições radicais e também paliativas. “Estima-se que cerca de 60% dos pacientes oncológicos irão receber radioterapia em algum momento do curso do seu tratamento”, disse a SBRT.

Além dos estudos para o hipofracionamento no tratamento de câncer de próstata, já existiam estudos garantindo a segurança para algumas situações, como, por exemplo, para pacientes com tumores de mama iniciais.

“Mas existiam algumas situações, como para pacientes com câncer de mama mais avançados, onde a adoção do hipofracionamento ainda não era consensual. Com a chegada da pandemia, o encurtamento do tratamento foi ampliado para todos os pacientes. Logo em seguida, estudos foram publicados comprovando que, realmente, todas as pacientes podiam encurtar o tratamento”, disse Castilho.

Hipofracionamento
O hipofracionamento se aplica a casos em que estudos de nível I de evidência, os mais confiáveis, confirmaram que o tratamento mais curto é igualmente eficaz e seguro para os pacientes, “incluindo próstata, pulmão, mama, reto, tratamentos paliativos de metástases ósseas, entre outros”, disse o presidente da SBRT.

A orientação sobre o hipofracionamento é a mesma para a rede pública. “Porém, em muitos casos, como para pacientes de próstata e pulmão, o hipofracionamento requer tecnologias mais avançadas, que geralmente não estão disponíveis para os pacientes do SUS, pelo déficit de financiamento do setor”, disse Castilho.

Como existe dependência de tecnologia para garantia que as doses mais elevadas estão atingindo somente a próstata, a limitação da estratégia é o uso em equipamentos que disponham de IGRT (radioterapia guiada por imagem). Segundo a entidade, cerca de um terço das máquinas no país têm a tecnologia e algumas delas estão na rede pública.

Além de melhorar a qualidade de vida do paciente, a estratégia de encurtamento amplia a oferta de vagas da radioterapia. O último censo disponível, segundo a entidade, mostra que somente 50% das máquinas necessárias para tratamento estão disponíveis, a maioria delas com mais de 10 anos de funcionamento e distribuídas de forma desigual pelo país.

O levantamento é baseado no estudo Análise das necessidades e custos globais de radioterapia por região geográfica e nível de renda.

De acordo com o presidente do Conselho Superior da SBRT, Arthur Accioly Rosa, o cálculo de necessidade de máquinas é complexo. “Envolve fatores como distribuição epidemiológica dos casos, disponibilidade geográfica, diagnóstico – muitos pacientes morrem sem diagnóstico de câncer – ocupação das máquinas com hipofracionamento, dentre outros. A saúde suplementar tem atendido sua demanda aparentemente sem limitações. Nos cálculos de novos casos de câncer, usando a proporção de 52% de uso de radiação e mensurando o número de tratamentos no SUS, projetam-se mais de 100 mil casos que não foram irradiados em 2020. Não quer dizer que não receberam tratamentos como quimioterapia, por exemplo, mas é um dado que documenta a dificuldade de acesso”.

Na avaliação da SBRT, esquemas de radioterapia mais convenientes para os pacientes e igualmente efetivos devem ser estimulados, já que trazem benefícios clínicos, logísticos e financeiros.

A SBRT disse que tem feito vários esforços e adotado estratégias específicas para disseminar a prática do hipofracionamento no Brasil, principalmente para os pacientes do SUS. “Porém, a plena adoção do hipofracionamento no SUS depende do avanço do investimento em radioterapia, principalmente via recomposição da tabela do SUS, extremamente defasada, o que permitirá que os mais diversos serviços ao redor do país possam executar não só tratamentos mais curtos, como de maior qualidade, para todos os brasileiros”, explica o presidente da SBRT.

Prevenção
A próstata é uma glândula que só o homem tem e que produz parte do sêmen. Ela se localiza na frente do reto, abaixo da bexiga, envolvendo a parte superior da uretra. De acordo com o Instituto Nacional de Câncer (Inca), nos homens o câncer de próstata é o segundo mais comum, ficando atrás apenas do câncer de pele.

Os fatores de risco são a idade avançada, a partir dos 50 anos, e o histórico familiar. Os negros constituem um grupo de risco para o câncer de próstata. A alimentação saudável, o peso corporal adequado e a prática da atividade física ajudam a reduzir a incidência desse e outros tipos de câncer.

A maioria dos tumores na próstata cresce de forma lenta, não chegando a dar sinais ao longo da vida. Uma minoria cresce de maneira acelerada, espalha-se para outros órgãos (metástase) e pode levar à morte. Os sintomas iniciais são dificuldade para urinar, demora em começar e terminar em urinar, sangue na urina, diminuição do jato da urina e necessidade urinar várias vezes à noite.

O diagnóstico precoce aumenta as chances de sucesso do tratamento. Por isso, os homens com 50 anos de idade ou mais devem ir uma vez por ano ao urologista para o toque retal e o exame de sangue que identifica o antígeno prostático específico (PSA).

“Os homens com histórico familiar de câncer de próstata, e os negros, que têm maior incidência deste tipo de câncer, devem iniciar as consultas anuais aos 45 anos de idade”, recomenda a médica Rafaela Pozzobon, oncologista da Oncologia D’Or com foco em uro-oncologia.

Tratamento
Entre os exames mais recentes para detecção do câncer de próstata está o PET-CT PSMA, que une a tomografia por emissão de pósitrons (PET) e a tomografia computadorizada (CT). O procedimento com PSMA (sigla do inglês para Antígeno de Membrana Específico para Próstata) consegue detectar mais de 90% dos casos de metástase desse tipo de câncer, permitindo um diagnóstico mais assertivo e um tratamento melhor direcionado.

“Quando a doença está restrita à próstata, o paciente é submetido à cirurgia ou radioterapia. Em caso de metástase, o tratamento é feito com hormonioterapia ou quimioterapia”, explica a médica Mariana Bruno Siqueira.

Para pacientes com câncer de próstata metastático, o tratamento mais recente é o PSMA-Lutécio 177, que foi destaque do Congresso Americano de Oncologia (Asco) de 2021. O lutécio é uma substância radioativa que, assim como um míssil teleguiado, é levado às células com PSMA, uma molécula que apresenta a expressão aumentada na superfície das células cancerígenas.

A substância radioativa danifica o DNA da célula e provoca sua morte. O tratamento demanda quatro a seis aplicações, sendo que a quimioterapia são no mínimo seis aplicações. Por ser direcionado às células cancerígenas, é melhor tolerado que a quimioterapia, dizem os especialistas.

“O PSMA-Lutécio 177 é uma partícula radioativa que vai ser introduzido no paciente pelo sangue. Então a partícula vai caminhando pelo sangue e chega aonde o câncer está, vai achar o câncer porque ele é ligado a um marcador do PSA. A partícula vai achar essas células, e pela radiação, que é carregada por esse PSMA, que é um marcador que vai achar a célula do câncer, ou seja, a célula que produz o PSA, para matar essa célula. Então ele vai, carrega essa radiação até a célula maligna, e uma vez que ela chega lá na célula, a radiação vai quebrar a fita de DNA e vai matar a célula do câncer. A radiação é pela circulação sanguínea”, explica a médica Rafaela Pozzobon.

O exame PET-CT PSMA e o tratamento PSMA-Lutécio 177 ainda não estão disponíveis pelo SUS.

Mutação
Nos últimos anos, os cientistas descobriram que o câncer de próstata, assim como o de mama, ovário e pâncreas, pode ter relação com a mutação do gene BRCA 1 e 2. “Entre 5% e 10% dos pacientes com câncer de próstata podem ter uma origem hereditária da doença, principalmente por causa da mutação genética no BRCA 2”, disse a médica Mariana Bruno Siqueira.

Em razão dessa descoberta, os médicos recomendam que homens que tiveram câncer de próstata mais agressivos ou com metástases, devam realizar testes a fim de detectar uma possível mutação do BRCA.

Em caso positivo, seus familiares podem ser aconselhados a realizar o exame também, além de adotar medidas preventivas e fazer exames periódicos para o diagnóstico precoce da doença. Existem ainda medicações específicas para os homens com a mutação do BRCA, que são usadas para controlar o câncer em cenários metastáticos.

Fernando Fraga

Outras

Médico mostra importância da mamografia para prevenir câncer de mama

O câncer de mama é a neoplasia

Publicado

em

O câncer de mama é a neoplasia mais frequente entre as mulheres no Brasil, além de ser a principal causa de morte por câncer em todas as regiões, exceto na Região Norte, onde o câncer do colo do útero ocupa a liderança. Estimativa do Instituto Nacional de Câncer (Inca) aponta para o surgimento de 74 mil casos novos por ano de câncer de mama no país, no triênio 2023/2025.

De acordo com o Inca, a taxa de mortalidade por câncer de mama, ajustada pela população mundial, atingiu 11,84 óbitos por 100.000 mulheres, em 2020, com as maiores taxas registradas no Sudeste e no Sul, da ordem de 12,64 e 12,79 óbitos por 100.000 mulheres, respectivamente.

Neste domingo (5), quando se comemora o Dia Nacional da Mamografia, o diretor executivo da Fundação do Câncer, Luiz Augusto Maltoni, disse à Agência Brasil que o objetivo da data é chamar a atenção para a importância do exame das mamas. Segundo Maltoni, a primeira função principal da mamografia se refere às mulheres que têm algum tipo de sinal ou sintoma, como presença de nódulos ou dor nos seios.

“Para essas mulheres, (o exame) já é um dos melhores métodos de diagnóstico do câncer da mama. A mamografia bem-feita, com qualidade, consegue definir bem nódulos, presença de alterações. A mamografia é um exame excelente para o estudo das mamas naquelas mulheres que têm algum sintoma e para as quais ele foi indicado pelos seus médicos”.

Outro aspecto considerado por Maltoni, “talvez o mais importante na mamografia” é o que fala da detecção precoce, do rastreamento. “São os exames realizados nas mulheres que não sentem absolutamente nada, estão assintomáticas, não notaram nenhuma alteração nas mamas e estão levando a vida normalmente”. Para essas mulheres sem sintomas, o Ministério da Saúde recomenda que a mamografia de rastreamento, ou precoce, seja feita a cada dois anos, na faixa etária entre 50 e 69 anos de idade.

O diretor executivo da Fundação do Câncer destacou que nas mulheres em que existe uma história familiar para câncer de mama, especialmente na linha direta de parentesco, a mamografia deve ser antecipada para a faixa acima de 35 anos.

“A importância da mamografia é essa: tanto no diagnóstico das lesões que já estão dando sintomas e sinais, como, sobretudo, para poder identificar precocemente alguma alteração nas mulheres que não sentem nada”. Lembrou ainda que é fundamental complementar a mamografia com o exame clínico das mamas por um profissional de saúde pública treinado. O exame está disponível no Sistema Único de Saúde (SUS) e na saúde complementar.

Sinais e sintomas
A ginecologista e obstetra Carla Maria Franco Dias lembrou que os principais sinais e sintomas suspeitos de câncer de mama são caroço (nódulo), geralmente endurecido, fixo e indolor; pele da mama avermelhada ou parecida com casca de laranja; alterações no bico do peito ou mamilo; e saída espontânea de líquido de um dos mamilos. Também podem aparecer pequenos nódulos no pescoço ou na região das axilas.

Médica associada da Federação Brasileira das Associações de Ginecologia e Obstetrícia (Febrasgo) e professora do Instituto de Educação Médica (Idomed), Carla apontou que a detecção precoce e o tratamento adequado do câncer de mama possibilitam alta chance de cura e sobrevida em relação à doença.

A médica disse que, no caso de alterações na mamografia, podem ser necessários exames complementares como a ultrassonografia e a ressonância magnética das mamas.

“Na suspeita de câncer, é importante o atendimento especializado pelo mastologista, a fim de realizar biópsia da lesão mamária para confirmação da doença, feita geralmente através da punção por agulha grossa – core biopsy ou mamotomia – ou por remoção cirúrgica incisional ou excisional.”

Embora a recomendação do Ministério da Saúde e da Organização Mundial da Saúde (OMS) seja a realização da mamografia de rastreamento (quando não há sinais nem sintomas) em mulheres com idade entre 50 e 69 anos, a Febrasgo recomenda iniciar a mamografia a partir dos 40 anos. A Fundação do Câncer considera, entretanto, que não há embasamento científico para mudar de 50 para 40 anos.

Ações educativas
O projeto Sesc Saúde Mulher atua há mais de uma década executando ações educativas com foco na realização de exames de rastreamento do câncer de mama. A ação é realizada por meio da sua rede de 25 unidades móveis que está presente em todas as regiões do Brasil. Nos últimos dez anos, foram realizados pelo Sesc cerca de 245 mil exames em mulheres com idades entre 50 e 69 anos, faixa etária em que há maior propensão ao câncer de mama.

A instituição é pioneira na utilização de unidades móveis no Brasil, que levam mamógrafos a muitas localidades que não possuem acesso ao aparelho. No ano passado, foram realizadas 38.460 mamografias pelo projeto. Para 2023, a meta é ultrapassar este número.

A diretora de Programas Sociais do Departamento Nacional do Sesc, Janaina Cunha, disse à Agência Brasil que o projeto é muito importante para o Sesc, porque “traz grande oportunidade de um número significativo de mulheres ter acesso ao exame, que está posicionado entre as prioridades de saúde do país, mas que tem uma demanda muito maior do que a capacidade de atendimento, sem contar os municípios e as populações de regiões mais remotas”. Janaina afirmou que, nesta enfermidade, o diagnóstico é essencial para o tratamento. “Torna mais efetiva a resposta ao tratamento.”

Conforme explicou, um dos benefícios das unidades móveis com mamógrafos é ter uma capilaridade muito grande, conseguir um alcance cada vez maior e atender por demanda. Tanto os municípios podem solicitar o atendimento ao projeto, como a demanda pode ser identificada também por meio das regionais do Serviço Social do Comércio (Sesc).

Barreiras
A diretora de Programas Sociais do Sesc ressaltou, neste Dia Nacional da Mamografia, a importância de as mulheres priorizarem o autocuidado e perderem o medo do diagnóstico. “Com receio do resultado (da mamografia), muitas mulheres não fazem o exame. A gente precisa enfrentar o diagnóstico para ter condições adequadas de tratamento, caso esse diagnóstico seja desfavorável.”

Janaína chamou a atenção também para que, ao encontrarem uma unidade móvel do Sesc Saúde Mulher, as mulheres compreendam que receberão um tratamento humanizado, serão acolhidas e terão um nível de conforto emocional muito grande. “Essa é a missão do Sesc: acolher e proporcionar esse melhor atendimento, do ponto de vista social e humano”.

As principais barreiras que impedem as mulheres de realizarem mamografias são a falta de orientação adequada ou acesso à informação sobre a doença, diagnóstico e tratamento; dificuldade de agendar consultas e exames na sua localidade, devido a problemas de deslocamento; falta de acolhimento da família e da comunidade. Muitas mulheres, principalmente as mais humildes, têm vergonha de realizar esse tipo de exame e outras não se sentem confortáveis em realizá-los com profissionais do sexo masculino, por exemplo. A diretora disse que os exames preventivos visam obter um diagnóstico precoce e, portanto, com grandes chances de cura caso um problema seja encontrado.

Atuação
O trabalho do Sesc é feito em parceria com as autoridades de saúde municipais, estaduais e federal, com a finalidade de complementação. Janaina Cunha esclareceu que após realizar o exame com equipamentos e equipes especializadas, a unidade móvel encaminha o relatório ao serviço público de saúde.

“E, lá, é consolidado o diagnóstico e acionada a paciente. O papel do Sesc é oportunizar o acesso ao exame e a estrutura e o acolhimento adequados para que isso aconteça. A partir daí, a gente devolve para o setor público a responsabilidade no atendimento àquela mulher, porque aí extrapola a competência do Sesc. Essa parceria tem sido muito efetiva”.

O Sesc Saúde Mulher atua por localidades e auxilia na formação de agentes comunitários que são responsáveis pela busca de mulheres que atendam aos requisitos para a realização dos exames. Cada mulher atendida pode se tornar uma multiplicadora em sua comunidade. Desta forma, cria-se uma cultura de prevenção.

Outra informação importante do Sesc Saúde Mulher é que as equipes do projeto são compostas majoritariamente por profissionais do sexo feminino, a fim de promover o acolhimento de outras mulheres.

Por Maria Claudia

Continue lendo

Outras

De Sena, modelo Sheynna Gabriely surge deslumbrante em ensaio fotográfico

Com 1.83 de altura

Publicado

em

Com 1.83 de altura, a senamadureirense Sheynna Gabriely de Souza Dobbins foi clicada pela fotógrafa Ryanna Glenda em ensaio para as lojas Nilsinha Modas, Online Store e Edna Fashion.

Usando peças exclusivas, Sheynna mostra o poder da mulher senamadureirense em cliques deslumbrantes. Sheyna leva o nome do município no concurso Miss Teen Acre, e concorre uma votação online, em que o resultado será a foto mais curtida e comentada. Clique AQUI, curta e comenta a foto da modelo.

O evento acontece nos dias 11 e 12 de fevereiro, no hotel Terra Verde, em Rio Branco.

Confira cliques exclusivos para coluna Douglas Richer, do site ContilNet da famosa fotógrafa Ryanna Glenda:

DOUGLAS RICHER, DO CONTILNET

Continue lendo

Outras

Rio Iaco enche mais de 01 metro e meio em apenas 24 horas em Sena Madureira

O rio Iaco, principal manancial de Sena Madureira

Publicado

em

O rio Iaco, principal manancial de Sena Madureira apresentou um grande acréscimo no volume de suas águas nas últimas 24 horas. De acordo com dados repassados pelo Coordenador da Defesa Civil Municipal, Carlos D’Ávila, o manancial encheu 01,67 centímetros em relação a última medição realizada.

O rio está medindo 9,38 centímetros de profundidade. “Tem chovido muito e isso faz com que o manancial encha de forma acelerada, o purus também tem recebido muita água e acaba influenciando diretamente no Iaco”, disse Carlos D’Ávila.

Apesar da grande cheia nas últimas horas, ainda não há motivos para preocupação, visto que o rio está longe da corta de alerta que é de 14 metros, e principalmente da cota de transbordamento, que é de 15,20 centímetros.

Vale lembrar que o plano de contingência 2023 já foi elaborado durante uma reunião entre a Prefeitura, Corpo de Bombeiros, Polícia Militar, Defesa Civil Municipal, e Ministério Público do Acre, na semana passada. Caso seja necessário, será posto em prática para socorrer as famílias afetadas.

Por Ricardo Amaral-AcreOnline

Continue lendo

Trending