Conecte-se conosco

Policial

O Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) alerta para alguns tipos de golpe contra aposentados e pensionistas

A maioria das situações ocorre por meio de ligação telefônica

Publicado

em

A maioria das situações ocorre por meio de ligação telefônica aos segurados ou envio de mensagens por email. Além de dados pessoais, os estelionatários pedem a transferência de dinheiro para a liberação de supostos benefícios.

Segundo o INSS, em um desses golpes os criminosos têm se passado por integrantes do Conselho Nacional de Previdência Social (CNPS) visando pedir a transferência de dinheiro para liberar supostos valores de benefícios atrasados.

Os estelionatários ligam para o segurado argumentando que ele teria direito a receber quantias atrasadas de valores pagos pela Previdência Social. Para a liberação do dinheiro, é solicitado que o segurado informe dados pessoais, além de efetuar o depósito de determinada quantia em uma conta bancária.

Falsa revisão de benefício
Outra prática fraudulenta aplicada é a da falsa revisão de benefício. Nesse tipo de golpe, os estelionatários abordam o segurado e afirmam que ele teria direito a receber valores referentes a uma falsa revisão de benefícios concedidos em governos anteriores. Também é solicitada a transferência de dinheiro para outra conta para a revisão fraudulenta.

Segundo a Previdência, todas as revisões de benefícios são baseadas na legislação e os segurados não precisam fazer nenhum pagamento para ter direito.

Golpe da falsa auditoria da Previdência
Outro tipo de situação é a da falsa auditoria geral da Previdência. Nessa modalidade, os criminosos enviam documentos a segurados convocando-os para uma chamada para resgate.

“Segundo o documento, os segurados teriam direito a resgaste de valores devidos a participantes de carteiras de pecúlio que teriam sido descontados da folha de pagamento como aposentadoria complementar”, informou a Previdência Social.

Acrescentando, ainda, que ela não pede dados pessoais dos seus segurados por email ou telefone e alertando para que ninguém disponibilize esse tipo de informação. O INSS esclareceu que não realiza nenhuma forma de cobrança para prestar o atendimento, nem serviços.

Policial

Polícia Civil Prende Homicida

A Polícia Civil em Cruzeiro do Sul

Publicado

em

A Polícia Civil em Cruzeiro do Sul prendeu C.S. da S. de 28 anos pelo crime de homicídio.
O crime ocorreu em 21 de maio de 2022 quando o autor invadiu um bar e efetuou vários disparos de arma de fogo contra Pedro Paulo Lima Verde, de 28, que veio a óbito no local.

Ao tomar conhecimentos dos fatos, a Polícia Civil deu início as investigações, identificou o autor e representou por sua prisão sendo efetuada nesta manhã.

O preso foi encaminhado a delegacia para procedimento praxe e em seguida colocado a disposição da justiça.

Ascom

Continue lendo

Policial

Delegado Geral de Polícia Civil realiza visita institucional ao Ministério Público

O Delegado-Geral de Polícia Civil do Acre

Publicado

em

O Delegado-Geral de Polícia Civil do Acre, José Henrique Maciel, realizou visita ao Procurador Chefe do Ministério Público do Acre, Danilo Lovisaro, para estreitamento das relações entre as instituições.

O Ministério Público tem como função constitucional a promoção do inquérito civil e a ação civil pública, para a proteção do patrimônio público e social, do meio ambiente e de outros interesses difusos e coletivos.
Para o Delegado-Geral,
“O trabalho integrado das instituições é de fundamental importância no fortalecimento da segurança pública sobretudo no combate firme ao crime organizado. A percecução penal é atividade investigatória e também da processual penal, com o exercício da ação penal. Trata-se da movimentação da máquina estatal diante da realização de um ilícito penal”, pontuou Delegado-Geral José Henrique.

Para o Procurador Chefe do Ministério Público do Acre, Danilo Lovisaro, o estreitamento das relações e de fundamental importância.

“ É fundamental uma relação mais estreia entre o Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco) e a Delegacia de Repressão às Ações Criminosas Organizadas (Draco), sendo que faz parte das diretrizes da minha atuação o estreitamento das ralações institucionais e o enfrentamento as organizações criminosas do estado”, finalizou Lovisaro.

Ascom

Continue lendo

Policial

MP Eleitoral e PF deflagram Operação “Kleroterion” em Tarauacá

Na manhã desta quarta-feira

Publicado

em

Na manhã desta quarta-feira (25), o Ministério Público Eleitoral e a Polícia federal deflagraram a operação “Klerotorion” para apurar crimes de corrupção eleitoral ativa e passiva, associação criminosa e peculato ocorridos durante as eleições municipais de 2020 em Tarauacá.

Ao todo, foram cumpridos quatro mandados de busca e apreensão nas casas dos investigados, com a participação de aproximadamente 16 policiais federais. As investigações tiveram início em agosto de 2021, ocasião em que a Delegacia de Polícia Federal de Cruzeiro do Sul descobriu um esquema de compra de votos operado por associação criminosa formada por um vereador, dois ex-secretários de saúde e um servidor público municipal.

Os candidatos investigados ao pleito eleitoral de 2020 negociaram votos com eleitores para os cargos de prefeito(a) e vereador(a), ambos da cidade de Tarauacá. A trama delituosa era concretizada pelos candidatos quando entregavam aos eleitores vantagens diversas como dinheiro, passagens rodoviárias, gêneros alimentícios, dentre outros. Durantes as diligencias policiais, verificou-se que parte dos recursos utilizados na compra de votos era oriundo do cofre público, o que também caracteriza o crime de peculato.

O promotor Eleitoral Júlio César de Medeiros falou sobre a participação do MP Eleitoral na operação.

“Auxiliamos no compartilhamento de relatórios produzidos pelo Núcleo de Apoio Técnico e pelo Lab/LD do MPAC, além da elaboração dos pareceres, garantindo o prévio sigilo da investigação, e atuando para a agilidade na expedição dos mandados de busca e apreensão pelo Poder Judiciário, bem como na disponibilização da estrutura física e de recursos humanos para a realização dos interrogatórios no meu gabinete, na sede da Promotoria de Justiça em Tarauacá”, destacou o promotor.

O nome da operação faz menção à máquina de Justiça utilizada pelos gregos que sorteavam os candidatos que assumiriam posições de autoridade em Atenas. A prática impedia que forças econômicas e religiosas exercessem influência sobre a escolha dos representantes do povo acarretando o monopólio do poder político.

Os envolvidos poderão responder pelos delitos dos art. 299 do Código Eleitoral (corrupção eleitoral), art. 288 (associação criminosa) e 312 (peculato), ambos do Código Penal.

Agência de Notícias do MPAC

* Com informações e foto da Assessoria de Imprensa da Polícia Federal

Continue lendo

Trending