Morador do igarapé Maloca encontra dificuldades para vender castanha em Sena Madureira

Edinaldo Gomes, para o Senaonline.net A castanha era tida há até pouco tempo como um dos produtos extrativistas mais rentáveis em Sena Madureira. Porém, com a crise que se instalou em decorrência do coronavírus, os produtores não estão encontrando mercado. Residente no igarapé Maloca, o...

Edinaldo Gomes, para o Senaonline.net

A castanha era tida há até pouco tempo como um dos produtos extrativistas mais rentáveis em Sena Madureira. Porém, com a crise que se instalou em decorrência do coronavírus, os produtores não estão encontrando mercado.

Residente no igarapé Maloca, o trabalhador rural Nassélio Manoel, conseguiu extrair da floresta em torno de 500 latas de castanha, mas ainda espera comprador. “No momento a situação está difícil. Trouxe a castanha com a esperança de vender para comprar mantimentos para a família, mas até agora não encontrei comprador. Ainda bem que pude armazená-la na Casa do Seringueiro, caso contrário poderia ter um prejuízo ainda maior”, comentou.

Mesmo antes da instalação da crise, o preço da castanha em Sena Madureira não vinha agradando os produtores. A lata estava variando entre 18 e 20 reais, sendo que em anos anteriores chegou a custar mais de 100 reais.

Geralmente a castanha produzida em Sena é exportada para outros estados e até mesmo para fora do país, entretanto, nesse momento adverso o mercado parece estar de portas fechadas.

In this article